sábado, 16 de novembro de 2013

Duas Gotas de Sangue e um Corpo para a Eternidade, Carina Portugal - Opinião



"Em pleno séc. XVI, a Inquisição lavra as terras de Inglaterra. Numa aldeia remota, um inocente amarrado à fogueira amaldiçoa todos aqueles que o condenaram à morte. As suas palavras acordam os espíritos da Natureza, e as gémeas Alaina e Leanora pressentem-no. Contudo, o que poderão fazer duas curandeiras para os deter? Além disso, ambas escondem um segredo que as poderá matar ‒ o seu próprio amor."


Opinião:

Não é nada comum encontrar neste espaço opinião a contos ou noveletas, sejam eles, ou elas, individuais ou agregados em volume. Quem me é mais próximo vai já conhecendo a embirração que tenho com este género de escrita, não por princípio ter algo contra o conceito mas porque, regra geral, não sinto grande prazer com a sua leitura. Não aprecio muito aquele acabar tão depressa como começa.

Reconheço veracidade numa crítica que me foi feita no sentido de que não sei ler este tipo de publicação. Leio livros de contos como quem lê romances, tudo de enfiada, à bruta e, normalmente, acabo farto e desiludido.

- Ah, mas isso não se lê assim! Lês um conto, fazes uma pausa, vais fazer outra coisa, o amor, talvez, e depois lês mais outro. Um livro de contos é para ser consumido com regra, é para ser degustado.

Acredito piamente que sim. Daí que reconheça que não sei ler livros de contos e, por norma, prefiro não o fazer.

Terminado o intróito onde coloco a minha declaração de interesses, neste caso de embirração, com o género, faço orelhas moucas aos meus argumentos e dou por mim a ler e opinar este texto de Carina Portugal.

O enredo decorre na Inglaterra do século XVI, numa pequena aldeia que pulula de actividade, sendo uma das principais a caça às bruxas. Neste ambiente Inquisitório e cru somos apresentados a duas irmãs gémeas, as nossas personagens principais, também elas pertencentes ao hermético meio herético de conhecedoras de medicina tradicional e adoradoras da Natureza. Existem vários personagens intervenientes na acção sendo que alguns dos quais interferem de forma directa e preponderante com o rapidamente anunciado rumo narrativo. Um conto de cariz sobrenatural com umas pinceladas de tensão sexual algures pelo meio.
A partir deste ponto tudo o que possa revelar poderá prejudicar futuros leitores.

De leitura veloz e final abrupto mas não previsível devo manifestar que gostei deste conto. A escrita da Carina é competente e não desagrada. Em pouquíssimo tempo li este Duas Gotas de Sangue e Um Corpo para a Eternidade e o balanço é positivo.

Espero voltar a lê-la, mas gostaria de fazê-lo num registo onde me sinta mais habilitado para o poder apreciar e comentar com propriedade.
Aguardo, por isso, que, se isso fizer parte dos planos desta autora, que ela possa publicar um livro num outro registo, que não o dos contos, onde não me sinta como um peixe fora de água.

Resumindo e concluindo não posso deixar de recomendar esta noveleta a todos aqueles que gostam do género ou que, como eu, estão receptivos a fazerem-lhe umas incursões ocasionais.

Para quem estiver interessado deixo aqui o link onde podem fazer download gratuito desta obra da Carina Portugal:
https://www.smashwords.com/books/view/374171

Boas leituras a todos.

4 comentários:

Leto of the Crows - Carina Portugal disse...

Fico feliz que tenha gostado. Também tenho um pouco desse problema com os contos. Por vezes parece que passam demasiado depressa, outras vezes sentimos que falta alguma coisa. Não só quando os leio, mas também quando os escrevo, e é realmente frustrante. No entanto, ainda consigo encontrar alguns de que gosto muito, que conseguem colmatar esses precalços.

Por acaso tenho um "livro publicado", já foi escrito há seis anos. Confesso que na altura o achava uma obra fantástica. Agora penso nele como um exercício de escrita que, apesar de não ser nada de especial, me deu prazer a escrever e ajudou-me depois a reconhecer erros que na altura não tinha qualquer noção. Ainda assim, é o meu "bebé".

Se tiver curiosidade, é este (mas aviso que não é mesmo nada de especial): https://www.goodreads.com/book/show/13484355-o-retrato-da-biblioteca-trilogia-de-imtharien-1

Talvez um dia escreva um romance de que me possa realmente orgulhar. De momento ainda ando pelas tentativas.

Obrigada pela opinião :)

André Nuno disse...

Olá, Carina.
Antes de mais agradeço-lhe a visita e as palavras simpáticas e cordiais. Sinto-me na obrigação de me desculpar pelo desconhecimento de que havia já escrito um livro num outro registo. Confesso que toda a informação que reuni na parca pesquisa que fiz não me chegou a tanto.
Relativamente à opinião admito que não seja a mais elaborada mas neste meu cantinho vou opinando desta forma, mais sensorial que científica. Acredito que quem busca opiniões sobre livros com o intuito de saber se um título poderá, ou não, vir a interessar-lhe busca algo que lhe dê uma ideia geral do que poderá encontrar, das sensações que poderá sentir, do género em que se enquadra a obra e não tanto se estamos perante prolepses e analepses, metáforas, oxímoros e alegorias. Tento, no fundo, passar para quem me lê as respostas às perguntas que eu mesmo coloco quando vou procurar opiniões a algum livro.
De facto, retornando ao que, seguramente, aqui nos reúne, isto é, o seu conto, devo dizer que apreciei. A dada altura comecei a imaginar uma tragédia no final que só parcialmente se cumpre porque a Carina soube criar algo que resolveu a inevitabilidade que se anunciava. Arrancou-me um sorriso de satisfação.
Como tive já, noutra altura, a oportunidade de lho desejar, reitero-lhe os votos de imenso sucesso e felicidade. Continue a brindar-nos com a Palavra, venha ela em contos, romance, ou outro qualquer "embrulho".
Cumprimentos.

Uouo Uo disse...




thx

شركة تنظيف بالرياض




thank you

حراج السيارات


thank you



احلى سينما

RP disse...

Tens de te habituar porque os género (contos) veio para ficar. As editoras portuguesas estão a apostar cada vez mais no género, sejam autores estrangeiros ou portugueses.
Para te habituares, dá uma espreitadela. http://www.o-devir-da-escrita.blogspot.pt/